Estilo Parental - saiba que tipo de mãe/pai você está sendo

Este post vai servir para que você faça uma análise de qual maneira você vem agindo com seu filho até hoje. São dicas de como funciona a parentalidade, ou seja, que tipo de pai/mãe você é e o que isso pode ocasionar na vida de seus filhos, seja quando ainda crianças ou seja quando estiverem já na idade adulta.


Os 3 estilos parentais são os seguintes:


Estilo Parental SIMPLISTA



É o pai que não dá muita importância às emoções que seus filhos estão sentindo e até algumas vezes, as banaliza.

Ex: “Você não percebe que é uma criança que tem tudo? Está chorando por quê? Você não tem nenhum motivo para ficar triste!!”


São também aqueles pais que querem que a emoção negativa que seu filho está sentido acabe logo ou quem sabe tentam distrair a criança para que ela esqueça o que está sentindo, com uma cosquinha ou piada.


Esse tipo de mãe também pode estar dando mais importância ao fato de o seu filho ter que se superar, do que ao que está efetivamente sentindo. E aqui podemos pensar em termos de situação escolar ou quem sabe um esporte.

Ex: Aquela criança que chora quando cai no esporte ou pequeno goleiro que leva um gol e chora e a mãe diz: “Não foi nada, precisa treinar mais. Se não tivesse faltado ao treino, conforme a gente avisou.”


Essas mães acreditam que o problema de seu filho se resolve com o tempo e que nada precisa ser feito neste momento, até talvez acreditando que os outros vão pensar que é responsabilidade deles, tendo a seguinte fala: “O que os outros vão pensar de mim?”


AS CONSEQUÊNCIAS DESTE COMPORTAMENTO DOS PAIS SÃO:


- A criança aprende que seus sentimentos são errados e impróprios

- Cresce com dificuldade de regular as próprias emoções


Estilo Parental DESAPROVADOR


É o pai que julga e critica as expressões emocionais do filho, preocupando-se em demasia com o controle sobre ele, sempre demonstrando que o mais importante é a obediência a padrões de comportamento, repreendendo e castigando seus filhos, quando manifestam suas emoções, entendendo que a demonstração de emoção por parte deles tem que ter tempo limitado.


Mães e pais que se enquadram neste estilo parental geralmente contam aos outros: “Esta criança tem gênio ruim". "Ele é muito difícil”


Esses pais entendem que seus filhos usam a manifestação da emoção para manipular e acabam por entrar em uma disputa de poder com eles, entendendo que suas crianças precisam ser fortes para sobreviver.

Ex: “Deixa de ser molenga, menino, homem não chora!!!”


AS CONSEQUÊNCIAS DESTE COMPORTAMENTO POR PARTE DOS PAIS É A MESMA DO ESTILO PARENTAL SIMPLISTA


- A criança aprende que seus sentimentos são errados e impróprios

- Cresce com dificuldade de regular as próprias emoções


Estilo Parental LEISSEZ-FAIRE - Pais Condescendentes


É o pai que aceita as emoções do filho, o reconfortando e demonstrando certa empatia para com ele. Acolhe, abraça quando a criança está braba ou triste, com palavras do tipo: “vem aqui com a mamãe, não fica assim”. Mas, não existe qualquer imposição de limites. Junto com isso também não existe nenhuma orientação dada à criança, com relação aos seus comportamentos e emoções.


Pais deste estilo também tem dificuldade de ensinar a criança e resolver seus problemas, acreditando que diante de qualquer manifestação de emoção, a única coisa que é preciso fazer é a liberação dessa emoção

Ex: “Isso filha, coloca pra fora, desabafa!”. “Deixe que ela chore que faz bem”.


Mães desse estilo não sabem como aproveitar esses momentos para ensinar a criança como se expressar.


AS CONSEQUÊNCIAS DESTE COMPORTAMENTO DOS PAIS


- A criança não aprende a regular as emoções e passa a ter dificuldade de concentração, o que levará para a idade adulta, também tendo a sua capacidade de fazer amizade e de se relacionar com outras crianças reduzida ou anulada.


Finalmente o tão esperado estilo parental do PREPARADOR EMOCIONAL



É aquele em que todos nós, se já não estamos, devemos estar, pois é o pai/mãe que olha para além daquele indivíduo que hoje é somente uma criança, preocupando-se com seu futuro emocional quando já adulto.


É a mãe que pergunta ao filho o que aconteceu com ele, quando ele tem uma crise e busca entender o que ele está sentido. É a mãe que vê nas manifestações de emoção uma oportunidade de agir como educadora, que nada mais é do que, sinalizar o caminho.


Esse estilo parental está presente nos pais que investem tempo nos seus filhos quando estão tristes, irritados ou assustados. São pais que realmente respeitam as emoções que os filhos estão sentindo.


Jamais dizem como a criança deve agir, mas a ouvem com empatia e acolhem seus sentimentos.


Uma maneira muito legal de fazer com que seu filho perceba que você está se colocando no lugar dele é oferecendo modelos. Fazendo como que ele conheça sua história. Trazendo experiências suas em que você se sentiu igual ou um evento parecido que você tenha vivenciado.


Pais preparadores emocionais também valorizam as próprias emoções e é por isso que são capazes de se colocar empaticamente no lugar do filho que agora precisa de atenção.


CONSEQUÊNCIAS:


- Crianças que aprendem a confiar nos seus próprios sentimentos e a resolver seus problemas. Conquistam uma autoestima elevada e aprendem a se relacionar harmoniosamente com as outras pessoas.

- Crianças emocionalmente saudáveis e adultos capazes de tomar decisões assertivas.


Agora te convido a perceber a felicidade da família que ilustra este estilo parental, logo acima. Perceba a emoção nos olhos deles. Perceba o quanto eles estão conectados e plenos. Por isso, convido você a ter esta mesma sensação. Você é capas de restabelecer a harmonia no seu lar, basta que você DECIDA.


Entre em contato conosco, se inscrevendo no site e, quem sabe, fazendo uma sessão de Coaching Education, online e gratuita, para que eu possa conhecer suas demandas e você conhecer meu trabalho.




“OS FILHOS NOS DÃO A CHANCE DE SERMOS MELHORES DO QUE JÁ FOMOS”
Márcio Micheli

...

Roberta Pimentel - Family Coach © Todos os direitos reservados


54 visualizações2 comentários

Posts recentes

Ver tudo