Ciclo da Autossabotagem

Com este artigo, você vai ser capaz de entender porque você faz sempre escolhas repetitivas e não consegue fazer com que elas sejam assertivas, entrando em um Ciclo de Autossabotagem que não tem fim.

Se em sua vida acontecem coisas do tipo, você se casou e seu marido te traiu. Você se separou e em seguida encontrou outra pessoa que você se apaixonou perdidamente e casou com ele, mas ele também, depois de algum tempo, acabou por te trair. E assim você vai, escolhendo sempre homens que te traem, apesar de você querer se livrar desesperadamente disso.

Você consegue perceber que suas decisões foram repetitivas?

Entenda porque isso acontece e saiba como se livrar.

Tudo o que aconteceu em nossas vidas, quando ainda éramos crianças, de alguma maneira ficou armazenado em nosso subconsciente e é com base nesse armazenamento que nós fazemos as escolhas no nosso presente.

Acontece que, temos no subconsciente um número infinito de situações, talvez de dor (por eventos onde nos sentimos injustiçados) e quem sabe também de esperança (através de situações positivas que nos aconteceram e que nos deixaram felizes), que são propulsoras das nossas escolhas.

Digo a você. Nós somente somos capazes de fazer uma escolha nos utilizando de experiências e observações que vivenciamos. E elas são inclusive as responsáveis pelo que projetamos para nosso futuro. Jamais conseguiríamos decidir com base em algo que nunca vimos, ouvimos ou sentimos. E é por isso que repetimos escolhas.

Se você faz parte do rol de mulheres que já passou por esta situação descrita no início deste artigo, por acaso já se deu conta que talvez isso tenha acontecido também com seus pais? Sua mãe ou seu pai um dia traiu? Caso a sua resposta seja sim, entenda que esta é a imagem que você tem armazenada em suas memórias.

Quando em nossa vida acontece algo, e estou aqui falando do seu passado, talvez de quando você era criança ou quem sabe adolescente, que te causou dor, mas falo na dor que você sentiu e não no evento em si, entende? Acrescento isso, pois a dor é sentida de maneira diferente por cada pessoa, afinal de contas somos seres ÚNICOS e DIVINOS. Pois então, esse evento, que fez com que você sofresse, ficou armazenado em seu subconsciente e ele é trazido à tona sempre que surge algo em sua vida, que te faz acessá-lo. Mas este acessar não é consciente, você me entende? É algo que trabalha por si, com vontade própria. Este evento é acessado, sempre que algo acontece, que seja semelhante ou que te faça sentir da mesma maneira, mas não vou falar em detalhes sobre isso, pois está em minha matéria sobre neurociência, aqui no meu Blog.

Quando este evento, que nós vamos chamar aqui de Evento Injusto, acontece e você não faz nada para resolvê-lo, simplesmente por não saber o que fazer (até este momento, pois agora você sabe), ele encontra em sua mente um solo fértil e prospera, fazendo com que você passe por algumas fases.



FASE 1: é a fase em que você fica magoada. É a fase em que o sentimento está latente e que você se afunda em dor, raiva e emoções bem primitivas, que afloram sem dó. Esta é a fase em que a pessoa ferida acaba reclamando e ela reclama do evento em si. Vamos dar o exemplo aqui, daquela mulher do início desse artigo, que foi ferida pelo marido, através de uma traição que foi descoberta. Quando ela conta sobre o que aconteceu a ela, seja para uma amiga ou até mesmo em alguma fala com o causador da injustiça, ela fala sobre aquilo que aconteceu. Algo do tipo: "Menina, eu fui traída e com alguém muito mais feita do que eu!".


CASO VOCÊ NADA FAÇA PARA QUE ISSO SAIA DE VEZ DE VOCÊ, A SITUAÇÃO EVOLUI E PASSA PARA OUTRA FASE.




FASE 2: é a fase em que temos muito medo de sentir outra vez aquilo que sentimos quando descobrimos. É onde ficamos ressentidas e acabamos por também reclamar, mas desta vez, da pessoa que nos causou a dor. Nossa fala muda um pouco e talvez seja assim: "Gurias, ele não podia ter feito isso comigo" ou "Por que ele fez isso?"


QUANDO AINDA SEGUIMOS SEM FAZER NADA QUANTO AO NOSSO RESSENTIMENTO, PASSAMOS A OUTRA FASE.




FASE 3: é a fase onde a pessoa se sente vítima de tudo, passando a reclamar, não mais do evento e nem do causador, mas de tudo e de todos. É a mulher que costuma dizer: "Homens são todos iguais".


CASO A MULHER NÃO FAÇA ALGUMA COISA PARA RESOLVER DENTRO DELA AQUILO QUE LHE CAUSOU DOR, SE ELA SOUBER O QUE FAZER, PASSA PARA OUTRA FASE.




FASE 4: é a fase onde ela não se entende mais merecedora de nada, nem de ninguém. Onde ela acredita que jamais vai conseguir ser feliz e, inclusive, resolve que não quer mais se relacionar, por medo de novamente tomar a decisão errada, ou seja, repetitiva. É a fase onde tudo perde o sentido e a mulher fica completamente inerte frente à vida, sem saber qual será seu próximo passo. Ela se deixa dominar completamente pelo medo, ficando paralisada e se entende não merecedora de uma vida melhor. E ainda pior, acaba criando desculpas positivas para fazer algo que vai contra aquilo tudo o que ela merece.


PASSANDO POR ESTA FASE, SEM RESOLVER, AINDA RESTA UMA FASE, QUE É A MAIS DESAFIADORA.




FASE 5: é onde a mulher acaba por sofrer todas as consequências da Autossabotagem, onde ela talvez fique com características da pessoa que a magoou ou quem sabe busque alguém parecido com esta pessoa para se relacionar e casar. É onde talvez ela compense em outras áreas, com excessos, a dor que sente, por exemplo, comendo demais ou bebendo demais ou comprando o que não precisa com o dinheiro que não tem. Ainda, pode ser que manipule pessoas a sua volta para que acreditem na sua versão. Ela pode se tornar incapaz de ser mãe, no sentido de não conseguir dar amor aos filhos, ou ainda pior, não querer ter filhos. É aquela mulher que talvez não se valorize sexualmente, saindo com um homem a cada dia ou talvez aquela que se rebela e vai contra regras e autoridades.


Para que possamos nos livrar de escolhas repetitivas, em primeiro lugar precisamos ter a consciência de isso está efetivamente acontecendo, para que depois possamos então, dirigir nossa mente para a cura através do autoconhecimento.

Jamais poderei melhorar algo que nem sei que existe e é este o motivo da construção deste artigo, para que cada vez mais as pessoas tomem consciência do que as incomoda, para que possam encontrar uma maneira de se libertarem das escolhas erradas e tenham uma vida leve e feliz.

Caso você tenha se identificado, saiba que existe um caminho para eliminar de vez esta dependência emocional que a pessoa é capaz de ficar, de suas próprias escolhas. Onde me livro disso, minhas escolhas passam a ser assertivas.

Se você não se identificar, tenho a certeza de que você talvez identifique alguém que conhece. Mande a esta pessoa o link desta página e seja a responsável por essa transformação.

Mas caso seja você a pessoa que está precisando de ajuda, faça contato através de nosso site e realize uma Sessão de Coaching Education, online e gratuita e livre-se do que te trava, para avançar rumo à vida que você Merece.



...

Roberta Pimentel - Family Coach © Todos os direitos reservados

54 visualizações1 comentário

Posts recentes

Ver tudo